Continue reading " />

Uma Torre de Babel de 30 mil livros

Uma Torre de Babel com 25 metros de altura, construída em espiral com 30 mil livros de todas as línguas, foi erigida numa praça do centro de Buenos Aires por iniciativa da artista argentina Marta Minujin.

“A ideia é unir todas as raças através do livro”, explicou a artista sobre a sua obra monumental que será inaugurada, próxima na quarta-feira, e “existirá” na praça San Martin até ao final do mês.

A artista decidiu criar esta Torre de Babel, porque Buenos Aires é a Capital Mundial do Livro 2011, proclamada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

A partir de quinta-feira, os seus sete andares podem ser subidos gratuitamente por grupos de até 100 pessoas e a visita será acompanhada por uma banda sonora criada por Marta Minujin, que dá a ouvir a palavra “livro” em todas as línguas do mundo.

Perto de metade dos livros que serviram de “tijolos” para a construção da torre foi oferecida por 50 embaixadas em Buenos Aires, mas a outra metade vem de doações de milhares de pessoas mobilizadas graças a uma campanha pública para esta “obra de participação maciça”, nas palavras da artista.

No último dia de exposição da peça, 28 de Maio, os visitantes podem escolher um livro na língua da sua preferência e levá-lo.

Alguns dos outros livros serão dados a bibliotecas e os restantes serão catalogados e formarão a primeira colecção multilingue da capital argentina, baptizada como Biblioteca de Babel, em homenagem à “criatividade e à cultura de todos os povos do mundo”, indicou.

No rés-do-chão da torre, podem ver-se obras de literatura, história e geografia mundiais. O primeiro e o segundo andares são dedicados a livros do continente americano, o terceiro e o quarto à Europa, o quinto e o sexto à Ásia.

Esta Torre de Babel lembra uma outra criação de Marta Minujin, o Partenon dos Livros, construído em 1983 em Buenos Aires com títulos proibidos durante a ditadura militar (1976-83), para uma reflexão sobre a censura.

Conhecida pelas suas criações “habitáveis” formadas por outros materiais como almofadas ou garrafas, que convidam o público a entrar na obra para a viver, Marta Minujin é uma pioneira do maior movimento artístico dos anos 1960 na Argentina, o Institut Di Tella.

Publicado originalmente no site Jornal de Notícias

Nossa Loja Virtual

As últimas do Twitter:

Transmissão ao vivo do eclipse solar mais testemunhado da história humana fb.me/8kNbsmOt9

Ceará / eclipse 40,55% do sol serão cobertos pela lua na cidade de Fortaleza das 16h20min às 18h02min.... fb.me/4ZmztRX4K

Transmissão ao vivo do eclipse solar mais testemunhado da história humana @climatologiageo climatologiageografica.com/o-eclipse-sola…

Ainda hoje o livro EU continua a ser bem solicitado pelas livrarias à editora #ArmazémdaCultura fb.me/1Eb2jPMre

Carlos Drummond - 30 anos da morte do poeta - Folha de S.Paulo fb.me/8gxY83k1a

Noruega, o melhor país para ser escritor fb.me/943swl0Rh

Links Sugeridos:

Livrômetro

58.620.865