Continue reading " />

O bode cidadão

O boêmio de quatro patas mais famoso do Ceará ganha mais uma publicação, desta vez para os pequeninos. “Yoiô – O bode celebridade”, com texto de Arlene Holanda e desenhos de Julião Jr., será lançado amanhã no Museu do Ceará, atual residência do bode artista

Na encarnada sala do Museu do Ceará, repousa sereno um herói cearense. Boêmio inveterado (apreciador de uma boa aguardente), pós-graduado em becos do Centro de Fortaleza, companheiro de artistas e intelectuais em noturnos cafés e, ainda, político honesto, já que ganhou sem se candidatar e não cumpriu, mas também não prometeu.

Ele, bode Yoiô, protagonizou alguns dos causos mais memoráveis da Praça do Ferreira, no coração de Fortaleza, e agora tem sua história registrada em versos, pela escritora Arlene Holanda, e em traços, pelo ilustrador Julião Jr. Uma história para crianças de todas as idades. “Yoiô – O bode celebridade”, editado pelo selo Armazém da Criança, do Armazém da Cultura, será lançado, amanhã, ali mesmo, no Museu do Ceará.

O bicho

O livro conta a saga do caprino mestiço (com forte predominância da raça alpina – é o fraco!), que viveu na Capital cearense perambulando entre bares e ruas do centro no início do século XX. Segundo se difunde, o bode teria vindo junto a retirantes, fugidos da seca de 1915.

Seu então proprietário, diante do dilema entre a panela e o bolso, preferiu – para sorte da boemia de Fortaleza – arrecadar uns vinténs com o animal. Foi vendido para um representante de uma empresa britânica no nordeste, a Rossbach Brazil Company, da qual se tornou uma espécie de mascote. Com propriedade agora localizada na Praia de Iracema, o bode, outrora mofino, puxado por uma corda de amarrar punho de rede, já não estava na pior.

No entanto, não demorou para que a comilança do mato que circundava as dependências da empresa lhe entediasse por demais. O caprino era mesmo afeito a vadiagens e logo seguiu sua sina de andarilho, descobrindo o trajeto que lhe daria a alcunha de “ioiô”. O bode aprendeu a partir da praia a seguir para a Praça do Ferreira, realizando o mesmo percurso diariamente.

O boêmio

E foi nos passeios que conheceu a noite fortalezense e seus muitos companheiros. No entorno do famoso Café Java (sede-mor da Padaria Espiritual, inclusive), conheceu escritores, pensadores, músicos, atores, inúmeros artistas de mesas de bar.

Com eles, passeava pelas ruas, ia a teatros, saraus, coretos; deles fora batizado Yoiô e por eles conheceu ainda as delícias da cana-de-açúcar, a bebida destilada preferida, que recebia gratuitamente a cada estabelecimento frequentado. De cara, simpatizou-se por ele o pintor Raimundo Cela, mas foi por todos amado, considerado um cidadão como outro qualquer.

O político

Ainda em 1921, Yoiô aprontaria uma molecagem que o consagraria como autêntico amigo do povão. Naquela época, inaugurava-se nas imediações da praça aquele que seria um dos cinemas mais movimentados da época: o Cine Moderno.

A população chegava de bonde e as celebridades desciam de seus Chevrolets e aguardavam com expectativa a chegada do governador Justiniano de Serpa e do intendente Godofredo Maciel para a cerimônia.

Mas o danado do bode (provavelmente “cheio dos pau”, como se diz em bom “cearês”) cansou de esperar. Trotou com suas quatro patas até a fachada do prédio e fez as vezes de político: comeu a fita inaugural do cinema. No mesmo ano, lá estavam os intelectuais candidatando Yoiô para vereador de Fortaleza. Mas candidatura não quer dizer vitória! Quem disse? Quando se abriram as urnas, em 1922, o nome do bode saltava das cédulas. Não pode assumir o cargo, mas, mais uma vez, entrou para a história da cidade.

O amante

Segundo afirmavam as companhias, além do jeito para as artes, o bode era um exímio entendedor de mulheres. Buliçoso, levantava com o chifre as barras das saias e dos vestidos das moças, garantindo ao macharal a boa vista.

A vida de boemia e libertinagem naturalmente não lhe pouparia da mortalidade, ao contrário, a aproximaria dela. O caprino deixou as ruas de Fortaleza em 1931, encontrado morto nas proximidades da Praça do Ferreira. Como homenagem, Adolfo Caminha resolveu empalhá-lo e é justamente sua figura que se encontra preservada no Museu do Ceará. Bom, preservada em termos, já que, em 1996, lhe roubaram o rabo (o que protagonizou nova história, ainda que “in memoriam”).

Nos anais da história, consta que a “causa-mortis” fora, de fato, resultado da vadiagem: cirrose hepática. As malignas línguas, no entanto, dividem-se em duas hipóteses: noivo furioso ou atentado político.

Durante o lançamento de “Yoiô – O bode celebridade”, haverá ainda a abertura da exposição “Brinquedos do Mundo”, apresentação do teatro de bonecos “O sonho de Dorinha no Museu do Ceará”, além de oficinas de confecção de brinquedos, em parceria com o Labrinjo – Laboratório de Brinquedos e Jogos da UFC.

Cultura cearense

Yoiô – O Bode Celebridade
Arlene Holanda

Armazém da cultura
2011
23 páginas
R$ 20

Ilustrações de Julião Jr. O lançamento acontece amanhã, às 10h, no Museu do Ceará (R. São Paulo, 51). Contato: (85) 3224.9780

MAYARA DE ARAÚJO
REPÓRTER

Fonte: Diário do Nordeste

Nossa Loja Virtual