Continue reading " />

História de um santo

07.04.11 – Jornal Diário do Nordeste –

“Frei Damião – o Missionário”, do frade Francisco Lopes, reconstitui a trajetória do religioso italiano, transformado em santo popular pelos nordestinos


Resultado da dissertação de mestrado do Frei Francisco Lopes de Sousa Neto, na Pontificia Universitas Lateranensis (Roma), o livro “Frei Damião – O Missionário” será lançado hoje à noite, na Livraria Cultura. A obra reconstitui a vida e a obra de evangelização do frade capuchinho, nascido na Itália em 1898, que veio para o Nordeste brasileiro na década de 1930 e foi venerado pelo povo.

Arrebatando devotos por onde passou, Frei Damião fez peregrinações pelas cidades nordestinas, disseminando suas “Santas Missões”. Para muitos fieis, tratava-se de um santo, e atualmente encontra-se em processo de beatificação. Ao mesmo tempo, é visto como um grande comunicador, por conseguir arrastar multidões para ouvi-lo, aguçando a curiosidade da imprensa, tornando-se um mito e símbolo para seu povo.

Por isso, o religioso pareceu uma escolha natural ao Frei Francisco Lopes para sua dissertação, especialmente por conta da linha de pesquisa, Missão e Evangelização. ” Quando se fala em missão, automaticamente nos vem a memória de Damião. Colocando seu nome no ´Google´, por exemplo, aparecem mais de 500 mil referências. Depois disso, não tive dúvidas. Ele foi uma figura muito viva nesse campo”, ressalta Lopes.

Foram dois anos de pesquisa e produção para a dissertação. Para transformá-la em livro, Lopes precisou de mais um ano de trabalho. “Foi necessário enxugar o texto, suprimir alguns capítulos, torná-lo mais acessível e agradável ao leitor, além de traduzi-lo do italiano para o português”, explica o autor. No começo da obra, o pesquisador faz um apanhado histórico do contexto religioso, cultural e político do Nordeste à época, por meio inclusive de figuras célebres como Antônio Conselheiro, Padre Ibiapina e Padre Cícero.

Em seguida, o livro volta-se à vida e obra de Frei Damião. “Ele veio ao Brasil catequizar o povo, e aos poucos se destacou por esse viés. Tinha uma paciência infinita para escutar o povo”, detalha Lopes.

Por conta disso, Frei Damião “saiu da sacristia, da Igreja, deixou de pertencer apenas ao universo religioso para perpetuar-se no imaginário da população”, nas palavras de Lopes. “Tornou-se até uma figura caricata, muito difundido por meio da xilogravura, da pintura. Assim como Lampião ou Padre Cícero, as pessoas o veem e já o reconhecem”, complementa o autor.

MAIS INFORMAÇÕES
Lançamento do livro “Frei Damião – o Missionário”. Hoje, às 19 horas, na Livraria Cultura (Av. Dom Luís, 1010 – Aldeota). Contato: (85) 4008.0800

ADRIANA MARTINS
REPÓRTER


Nossa Loja Virtual