Continue reading " />

Argentina e Bélgica – um jogo de História

 Copa do Mundo da Espanha

Em julho de 1982, a então campeã Argentina abriu a Copa do Mundo da Espanha, contra a Bélgica. Os jogadores da albiceleste, todavia, apresentavam outras preocupações que não apenas o Mundial. Dois meses antes da Copa, a ditadura militar argentina, então comandada pelo general Leopoldo Galtieri, mandou tropas invadirem as Malvinas, ilhas que estavam sob controle da Inglaterra desde o século XIX. A manobra, afora concretizar uma velha reivindicação argentina, era uma forma de a ditadura local endossar o nacionalismo e buscar apoio popular, num momento de grave crise socioeconômica e aumento dos opositores. Galtieri imaginava que a Inglaterra, então sob o governo da conservadora Margareth Thatcher, não se importaria com umas “ilhazinhas” da América do Sul e buscaria uma solução diplomática para o conflito.

Guerra das Malvinas e Thatcher

Enganou-se. Thatcher aplicava na Inglaterra várias medidas de desmonte da assistência social – o que foi chamado por muitos pensadores de neoliberalismo – e enfrentava fortes distúrbios e protestos de ruas. A primeira-ministra inglesa balançava no cargo. Por ironia, a Guerra das Malvinas acabou sendo sua salvação. Com um poder bélico superior, a Inglaterra movimentou suas tropas para expulsar os argentinos das Malvinas. A 14 de julho, um dia após a estreia da Argentina na Copa do Mundo, a Guerra das Malvinas (ou Falklands, como chamam os ingleses) terminava, com uma humilhante derrota do país sul-americano. Meses depois, a Ditadura militar argentina findava e Margareth Thatcher e o neoliberalismo, fortalecidos com o triunfo, continuariam a dominar a Inglaterra. Em campo, na Copa, a Argentina acabou perdendo também, por 1 x 0, para os Belgas.

A democracia voltou à Argentina, num país destroçado pela crise econômica e pelas lembranças e traumas dos horrores da guerra e da ditadura. De certo modo, a “redenção” nacional viria em 1986, com a conquista do bicampeonato mundial de futebol, no México, título fruto em muito da genialidade de Maradona. Durante a campanha, afora o famoso jogo contra a Inglaterra, albiceleste enfrentou os diabos vermelhos nas semifinais, vencendo por 2 x 0, com um golaço de Maradona. O futebol exorcizava os fantasmas de uma nação.

 

Airton de Farias, autor de (Armazém da Cultura, 2014). www.armazemcultura.com.br

 

 

Nossa Loja Virtual